AQUIETAR O ESPÍRITO/MEDITAR.

 

Para aquietarmos o Espírito dentro de nós, basta fecharmos os olhos. A regra funciona imediatamente, como ocorre no sono. Com o simples movimento das pálpebras, tudo que é mundo externo, ilusão, desejo, vício, enfim, há um bloqueio muito forte em tudo isso, e, o Espírito sente o alívio. E nesse mesmo momento, no fechar dos olhos, além da tranqüilidade que nos  invade, há, também, uma reação igual e contrária, ou seja, a visão do externo é bloqueada, mas a visão do mundo interno é liberada. Por isso, nos rituais com Ayahuasca, pedimos, sempre, para que os Irmãos fechem os olhos e passem a olhar para dentro de si mesmos; por isso, são diminuídas as lâmpadas.

            Não se trata, aqui, do modelo do “fecho os olhos para este problema”, ou, “o que os olhos não vêem, o coração não sente”; não se trata de fuga, mas de intenção de equilíbrio e harmonia. A própria Divindade é isso, doçura e ação, harmonia em movimento, Luz que só esquenta o coração, sem queimá-lo. Portanto, olharmos para dentro de nós é ação reversa e não uma fuga covarde; é, na verdade, a coragem do aprendizado e da busca por algo mais, algo novo, diferente dentro de nós.

            Essa mesma atitude reversa de fechar os olhos ao externo e abri-los ao interno, com a ampliação da consciência perpetrada pela Ayahuasca, essa atitude faz-nos enxergar o Eu Superior que habita em nós e que muitos nem suspeitam que Ele exista. Ele que, em contraposição ao Ego, é o próprio mundo do Espírito, comanda o coração de muitos Iluminados Seres; é o Eu Superior que é o Eterno e o Divino dentro de nós – olhar para Ele e cuidar Dele, é uma atitude muito sensata e que sempre nos traz a felicidade.

            Estar de olhos abertos ao mundo externo é manter o vício das imagens que corrompem o Ser, trazem desejos, engendram segredos obscuros das dúvidas, a postura insana do material; Zumbi, aquele de olhos muito abertos era exceção, com medo da escravidão, atento, com o sonho da liberdade, tentava ver além das correntes e chaves; toda ilusão que os olhos abertos nos trazem pode ser o motivo de espíritos tão aflitos, inseguros, medrosos, covardes, etc... A simples atitude de fechar os olhos é consagradora da verdadeira Luz, a Luz interior do Eu Superior. É dessa forma que se pacifica  e aquieta o Espírito, com a conseqüente transformação de um mundo em conflitos para um mundo em Paz, sob o comando do Eu Superior (aos cuidados do coração). É encontrar o ser ativo da Liberdade.

            A batalha contra todos os vícios  e maus hábitos começa assim, fechando os olhos, mas indo em busca daquilo que é muito melhor em nós, o Eu Superior; em contrapartida, maravilhosa, essa mesma batalha é recompensada com o Astral Divino que vem ao nosso encontro, com muita determinação, instrução e presença, através de todos os seus Entes Consagrados.

            Vitoriosos são aqueles que encaram essa batalha, com a sustentação da fé e a força de sempre continuar na Luz. O contato com o Eu Superior é tanto mais verdadeiro e funcional, quanto se está livre dos vícios, maus hábitos, maus sentimentos, maus pensamentos, etc... A Ayahuasca provoca as limpezas, porém os Irmãos que se encontram na busca devem vir com a vontade e determinação necessárias. A Divindade que habita em nosso Ser usa do Eu Superior para nos fazer-Se presença/presente (onipresença). Luzemti.
Inhô Caly Varajão Junqueira.